segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Construindo espaços

Sinto o cheiro daquela poeira que o sol denuncia a cada manhã. Acostumo os olhos ao novo, construo minhas primeiras referências, mesmo antes de tudo existir, de fato. Antecipo sensações, misturo desejos, deixo que as coisas ganhem forma na minha imaginação, vislumbro um futuro próximo.

Passeio entre as incertezas desse novo universo. Tento decifrar sonhos incompletos, associações quebradas, contextos indefinidos. O que me era perto parece longe e vice-versa. Os prazeres mudaram de cor, mudarão de gosto. Prevalecerá, ainda, um amargo que conforta, como aquele que fica na boca depois do café bem forte.

Coloco cada coisa no seu devido lugar. Passo horas compondo os ambientes. Cada detalhe tem seu motivo e sua importância. Tudo a seu tempo, mas em minha mente, tudo está pronto e perfeito. Vejo os resultados antes mesmo do processo. Até que ponto desejo o que expresso? Eu serei outro e serei o mesmo. E essa nova forma é o que determinará se tudo irá correr bem. Ou não.

Um comentário:

Amanda Anastacyellis disse...

ai eu amo esse tbm.. '-' haha